Uma base digital para a prosopografia da República romana (DPRR). Claudia Beltrão – UNIRIO

A pesquisa antiquista está em plena mutação e a tecnologia digital tem um importante papel nesse processo. O incremento de sua utilização permitiu criar ambientes e instrumentos para produzir, tratar e interagir com dados e conhecimentos que, muitas vezes, nascem “digitais”. Um dos problemas atuais é o de assegurar a indexação e a interoperacionalidade entre esses ambientes e ferramentas.
Uma dificuldade para a pesquisa da República romana é a falta de um instrumento similar ao LGPN. Por exemplo, a tradicional Prosopographia Imperii Romani (PIR), o mais antigo projeto prosopográfico, que conta com uma base digital, se concentra sobre os viri notabiles entre Augusto e Diocleciano. Como quase todas as prosopografias sobre o Império Romano, a PIR dá mais importância às inscrições epigráficas em latim e grego; as moedas, os textos da tradição manuscrita e os papiros aparecem em menor escala, e a PIR é organizada como um ficheiro epigráfico simples, sem uma base de dados relacional.
Certamente, temos prosopografias para períodos anteriores a Augusto, a maioria impressa, e algumas são excelentes. Mas, em geral, elas são organizadas por funções ou profissões, como Broughton & Robert (The Magistrates of the Roman Republic, 1951), Nicolet (L’ordre équestre à l’époque republicaine, 1966-1971) e Rüpke (Fasti Sacerdotum, 2005). Assim, a futura publicação da base Digitising the Prosopography of the Roman Republic (DPRR) traz grandes expectativas aos classicistas. O projeto, sediado no King College London e liderado por Henrik Mouritsen, se baseia em muitas prosopografias existentes. Combinando dados a partir desses recursos sobre a identidade histórica dos indivíduos, ele pretende fornecer uma base de dados digital que permitirá o cruzamento dos dados em grande escala, de acordo com, por exemplo, os Standards for Networking Ancient Prosopographies (SNAP:DRGN) e Linked Ancient World Data Institute (LAWDI). Desse modo, o DPRR tem um grande potencial para que velhos problemas sejam revistos e novas questões sejam levantadas. De certo modo, os estudos de gênero tem aumentado o interesse por estudos prosopográficos, e o DPRR pode ser uma ferramenta muito útil para o estudo da dinâmica social da República romana, ampliando as possibilidades de análise dos nomes e das identidades sociais.


Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *