Les femmes nommées… toutes des prostituées ? / As mulheres nomeadas… todas são prostitutas?

Décidément, l’idée selon laquelle les femmes grecques dont le nom a été conservé par écrit sont forcément des courtisanes a la vie dure… On peut en effet lire dans un ouvrage consacré aux inscriptions gravées ou peintes sur les vases : « An ancient Greek woman recorded on a jar for pouring liquid, for instance wine, in a fervent statement of her beauty is a priori likely to be a hetaera » (Wachter Rudolf, Non-Attic Greek Vase Inscriptions, Oxford, 2001, p. 223). L’auteur commente en fait une inscription conservée sur un vase rhodien (New York, MMA 06.1116), qui fait référence à une femme en vantant sa beauté et la nomme « celle qui vient de Brasos ». L’auteur ajoute ensuite : “If a woman on Rhodes is called after a local place in the countryside, this name is likely to be a nickname and the person fairly well known, which supports the interpretation as a hetaera.” Il rapproche alors l’inscription en question d’un autre graffiti rhodien, conservé sur une coupe, qui proclame : « Je suis la coupe bariolée de la belle Philtô », sous-entendant ainsi que Philtô est forcément elle aussi une hétaïre…

Les principaux présupposés qui sous-tendent le raisonnement de l’auteur sont les suivants :

-une femme dont on écrit le nom sur un vase utilisé pour le banquet est une courtisane.

-une femme dont on vante la beauté est une courtisane (chose qu’on ne dirait pas pour un homme qualifié de « kalos » sur un vase !)

-une femme renommée a toutes les chances d’être une courtisane.

L’établissement de la base Eurykleia vise précisément à éviter ce type de biais qui oriente trop souvent l’analyse des sources antiques et fausse ainsi notre compréhension du rôle actif joué par les femmes dans la société… Non, le nom ne fait pas l’hétaïre !

As mulheres nomeadas… todas são prostitutas?

Decididamente: esse é o ponto de vista segundo o qual as mulheres gregas cujo nome foi preservado por escrito são necessariamente cortesãs de vida difícil… É possível, com efeito, ler em uma obra dedicada às inscrições gravadas ou pintadas sobre os vasos: “An ancient Greek woman recorded on a jar for pouring liquid, for instance wine, in a fervent statement of her beauty is a priori likely to be a hetaera” [“Uma mulher da Antiguidade Grega gravada sobre uma jarra para verter líquido, por exemplo, vinho, com uma fervente declaração a respeito de sua beleza é, a priori, provavelmente, uma hetaira”] (Wachter Rudolf, Non-Attic Greek Vase Inscriptions, Oxford, 2001, p. 223). O autor, de fato, comenta uma inscrição conservada em um vaso de Rodes (New York, MMA 06.1116), que faz referência a uma mulher sublinhando sua beleza e chamando-a de “aquela que vem de Brasos”. O autor, em seguida, acrescenta: “If a woman on Rhodes is called after a local place in the countryside, this name is likely to be a nickname and the person fairly well known, which supports the interpretation as a hetaera” [“Se uma mulher de Rodes é nomeada a partir de um local situado numa região rural, esse nome é provavelmente um apelido e a pessoa é bem conhecida, o que corrobora com a interpretação de que é uma hetaira”]. Harmonizar, então, a inscrição em questão com outro grafite rodiano, conservado sobre uma taça, que proclama: “Eu sou a taça colorida da bela Filtô”, isso pressupõe que também Filtô seja necessariamente uma hetaira.

Os principais pressupostos que subjazem ao raciocínio do autor são:

– uma mulher cujo nome está escrito sobre um vaso utilizado em um banquete é uma cortesã

– uma mulher em que se destaca a beleza é uma cortesã (algo que não se diria a respeito de um homem qualificado como “καλός” em um vaso!)

– uma mulher de renome provavelmente é uma cortesã

A criação da base Eurykleia visa precisamente evitar esse tipo de viés que orienta com frequência a análise das fontes antigas e distorce assim a nossa compreensão do papel ativo em que atuam as mulheres na sociedade. Não, o nome não faz a hetaira!


Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *